Mossoró 22 de Novembro de 2019 00:31h
Brasil

No Brasil, 84% evitam atender celular na rua por medo, diz pesquisa

Um terço toma o cuidado em qualquer rua, enquanto 51% dizem que a medida “depende da rua”.

24 de Julho de 2019 - 14:47hs

Foto: Pond5

Os brasileiros têm medo de atender o smartphone na rua devido à insegurança crônica no país. Embora a sensação seja compartilhada por muitos, agora ela é confirmada por um estudo que mostra que 84% dos participantes evitam atender as chamadas quando estão fora de casa. Um terço toma o cuidado em qualquer rua, enquanto 51% dizem que a medida “depende da rua”. Apenas 16% dos entrevistados atendem ao telefone em qualquer lugar.

Os números fazem parte de um estudo cujos principais pontos o TechTudo antecipa em primeira mão. Intitulado de “Panorama Mobile Time/Opinion Box – Roubo de Celulares no Brasil – Julho de 2019”, o levantamento traz um raio X completo a partir de questionários online enviados a 2.532 brasileiros. Quase metade admite que já sofreu roubo ou furto de smartphone.

O medo é maior entre usuários que tiveram smartphone roubado ou furtado no passado. Dentre as pessoas que passaram pelo sufoco, 62% dizem ter sofrido o perrengue uma única vez, enquanto 27% declararam que por duas vezes tiveram o celular roubado ou furtado. Para piorar, 11% vivenciaram os crimes ao menos três vezes.

A Opinion Box e o site Mobile Time também produziram uma espécie de mapa dos assaltos de smartphones. O Brasil se divide da seguinte forma, quando considerado o percentual da população que ficou sem o aparelho por ação de bandidos:

Região Norte: 65%
Região Nordeste: 54%
Região Centro-Oeste: 47%
Região Sudeste: 45%
Região Sul: 34%

Na divisão por gêneros, os homens compõem o grupo que mais se queixou do problema, com 48% de vítimas, enquanto as mulheres equivalem a 46%.

A classificação etária traz o grupo entre 16 e 29 anos como principal vítima do roubo ou furto de smartphones (52%), seguido de perto pelo faixa entre 30 e 39 anos (44%). A população mais vivida aparece na lanterna (34%).

Ainda de acordo com o estudo, praticamente não há distinção entre alvos das classes A/B e vítimas das classes C/D/E.

O momento posterior ao crime também foi abordado pela pesquisa: 52% dos entrevistados disseram não ter feito boletim de ocorrência. A maioria bloqueou tanto o aparelho quanto o chip (55%), enquanto parcelas menores optaram por desativar só o chip de telefonia (21%) ou apenas o aparelho (6%). Além disso, 18% dos usuários simplesmente deixaram o assunto de lado e não tomaram nenhuma medida de bloqueio.

O que fazer uma vez que o ladrão leva embora o aparelho que guarda nossas vidas? O estudo revela que 72% dos consumidores compraram um telefone melhor, 15% pegaram um modelo similar e 11% acabaram substituindo por um telefone pior. Apenas 2% das vítimas não pegaram um novo smartphone – um sinal de que o equipamento se tornou indispensável.

Globo, via Techtudo

Faça seu comentário

Canal Acontece RN

VT institucional - Portal Acontece