Mossoró 04 de Agosto de 2020 19:30h
Saúde

OMS estuda casos de pessoas que testaram positivo para COVID-19 pela segunda vez

Os exames foram feitos após os pacientes terem recebido alta médica com um resultado inicialmente negativo.

11 de Abril de 2020 - 10:08hs

Foto: Diy13/Shutterstock

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse neste sábado (11) que estuda o comportamento de pessoas que testaram positivo pela segunda vez por COVID-19. Os exames foram feitos após os pacientes terem recebido alta médica com um resultado inicialmente negativo.

Autoridades sul-coreanas informaram nesta sexta-feira (10) que 91 pacientes que tiveram COVID-19 testaram positivo outra vez. Jeong Eun-Kyeong, diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da Coreia do Sul, esclareceu em um informe que o vírus pode ter sido “reativado”, o que é diferente de os pacientes terem sido reinfectados.

Questionada sobre o relatório de Seul, a Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que eles estão cientes desses indivíduos que, inicialmente testaram negativo para a COVID-19 usando testes de PCR (reação em cadeia da polimerase) e depois de alguns dias testaram positivo de novo.

“Estamos juntos de nossos especialistas clínicos e trabalhando duro para obter mais informações sobre esses casos individuais. É importante garantir que, quando as amostras forem coletadas para testes em pacientes suspeitos, os procedimentos sejam seguidos adequadamente”, afirmou.

De acordo com as diretrizes de gerenciamento clínico da Organização Mundial da Saúde (OMS), um paciente pode receber alta após dois resultados negativos consecutivos com pelo menos 24 horas de intervalo entre eles.

Com base nos estudos atuais, há um período de cerca de duas semanas entre o início do diagnóstico e a recuperação clínica de pacientes com leves sintomas da COVID-19, informou a organização.

“Estamos cientes de que algumas pessoas dão positivo para o teste de PCR (reação em cadeia da polimerase) mesmo depois de se recuperarem clinicamente, mas precisamos de uma coleta sistemática de amostras de pacientes recuperados para entender melhor por quanto tempo eles perdem o vírus vivo”, completa a organização.

“Como a COVID-19 é uma doença nova, precisamos de mais dados epidemiológicos para tirar conclusões sobre o perfil de eliminação de vírus”, afirmou a OMS.

CNN Brasil

Faça seu comentário

Canal Acontece RN

VT institucional - Portal Acontece